Depois de um respiro de alívio, o Grêmio voltou ao seu “normal” dentro do atual Brasileirão. O Tricolor empatou em 1 a 1 com o Fortaleza na Arena, neste domingo, pela 10ª rodada, e deu mais uma mostra de estar em adaptação a uma nova realidade de jogo.

E com uma constante oscilação de desempenho. O time só teve “vida” com Luiz Fernando, que ficou 25 minutos em campo antes de ser expulso. Tudo isso, a três dias da retomada da Libertadores, com duelo contra a Universidad Católica, no Chile, já na próxima quarta-feira, às 21h30.

Já são 16 jogos depois da retomada do futebol na pandemia. E o Grêmio, até agora, conta os minutos bem jogados durante o período. Quando parece que vai engrenar, como na vitória sobre o Bahia, apresenta dificuldades para furar a marcação do Fortaleza. São seis empates no Brasileiro.

Luiz Fernando deu vida ao time, mas ficou 25 minutos só em campo — Foto: Eduardo Moura

O roteiro tem se repetido. O Grêmio não consegue se movimentar para forçar o adversário a dar espaços. Ao deparar com uma equipe mais fechada, abre o jogo para o lateral, geralmente Orejuela, e simplesmente apela aos cruzamentos. Foram 15 finalizações, sete para fora.

Foi assim que teve a única chance do primeiro tempo. Alisson cruzou, Diego Souza brigou, ficou com a bola e encontrou o meia na área. Mas Felipe Alves fez a defesa para, naquele momento, impedir o empate. Osvaldo já havia aberto o placar ao cruzar bola em direção ao gol e acertar o alvo.

No intervalo, o dedo de Renato entrou em ação. Luiz Fernando substituiu Isaque e deu mais velocidade e agressividade pela esquerda. Características que sobravam a Everton Cebolinha, por exemplo. O próprio treinador ainda admite que o time tem dificuldades sem o desequilíbrio do atacante.

— No momento em que faz muitas trocas, muitos jogadores saem, outros chegam. Tem que dar tempo para se entrosarem. Entenderem a maneira que o Grêmio se comporta. Não vai ser da noite para o dia. Perdemos a nossa referência, que era o Everton. Jogador que desequilibrava. Não vai ser da noite para o dia que vamos ter aquele entrosamento — reconheceu Renato.

O Grêmio teve vida apenas enquanto Luiz Fernando esteve em campo. Foi quando houve o lance do pênalti, no qual Luiz encontrou Everton na área, e ele acabou derrubado. Diego Souza converteu a cobrança depois de perder, mas o lance ser invalidade por invasão na área.

O Grêmio também criou chance em finalização justamente do camisa 19, em jogada rápida com Robinho e Diego Souza. A característica de um atacante, veloz e driblador, deu um lampejo ao time, que se postou mais próximo à área do rival.

A expulsão fez o jogo se arrastar até o fim sem grandes chances para os dois lados. E aí confirmou o sexto empate do Grêmio no Brasileirão, o 10º do ano. No total, são 14 vitórias e cinco derrotas em 2020. Um rendimento com altos e baixos, sem firmar uma regularidade até aqui no ano.

A Libertadores bate à porta. Na quarta-feira, o Tricolor encara a Universidad Católica, às 21h30, em Santiago, no Chile.

Fonte: G1
Foto:  Lucas Uebel/Grêmio